Como montar um escritório de advocacia gastando pouco

Para muitos profissionais da área jurídica, a estabilidade financeira está diretamente ligada à um futuro promissor. Por isso, são poucos os profissionais que se arriscam a trocar uma vaga em um escritório renomado, ou mesmo um concurso público, para empreender como advogado.

Além de contar com mais riscos, montar um escritório de advocacia pode representar custos demasiadamente altos, impossíveis de serem suportados por um profissional que deseja empreender por conta própria.

Felizmente, esse cenário tem mudado bastante nos últimos anos.

Hoje, existem muitas alternativas para quem quer abrir o próprio escritório, mas não tem muitos recursos para investir. Contudo, existem alguns cuidados fundamentais que devem ser tomados durante o processo de montar um escritório de advocacia.

Quais cuidados são esses?

1. Levantamento dos Custos

Antes de saber como montar um escritório de advocacia gastando pouco, é preciso que o profissional conheça todas as despesas envolvidas para que, em seguida, consiga buscar alternativas mais econômicas.

A primeira despesa está relacionada com o aluguel do espaço e sua manutenção. Além dos custos da locação, o advogado deverá arcar com gastos como luz, água, limpeza, IPTU, telefone, internet, condomínio e até segurança, dependendo do caso.

Além disso, será preciso investir minimamente em mobília e equipamentos. No início, não é preciso contar com muitos móveis ou equipamentos sofisticados. Uma estação de trabalho, cadeiras, armário para armazenar livros e documentos, além de um computador, impressora, escâner e leitora de cartão para certificado digital já são o suficiente.

Também é necessário investir em material de escritório, cartões de visita e um bom software de gerenciamento de processos, que permite uma gestão mais eficiente e econômica tanto dos clientes, quanto do próprio negócio.

Vale destacar que um bom software de gerenciamento também permite que o advogado organize toda a sua rotina, mesmo à distância, dispensando até a contratação de um profissional específico para isso.

Em outras palavras, com esse tipo de ferramenta é possível ter mais assertividade e produtividade na hora de administrar os clientes e o próprio escritório.

2. Aluguel do Espaço

Os gastos com o aluguel de uma sala comercial são a principal despesa para quem pretende montar um escritório de advocacia. Nos grandes centros urbanos, esse custo pode ser bastante elevado.

Na hora de economizar com o aluguel de um espaço, existem duas alternativas interessantes:

a) Coworking

Os coworkings são espaços de trabalho compartilhados entre profissionais autônomos e empresas de pequeno porte. Neste novo modelo, além de dividirem o local, os profissionais compartilham toda a infraestrutura e os recursos necessário para o funcionamento de um escritório de advocacia, como telefone, internet, limpeza, material de escritório e alguns casos até secretárias.

Embora os coworkings sejam uma alternativa bastante econômica, essa opção ainda é pouco explorada pelos profissionais da área jurídica. Muitos desses espaços contam com um ambiente demasiadamente informal, o que acaba afastando alguns profissionais da área.

Porém, com a popularização desse tipo de espaço de trabalho, atualmente é possível encontrar coworkings voltados para um público mais formal, com atmosfera bem semelhante aos escritórios de advocacia tradicionais.

b) Compartilhamento de sala

Outra alternativa para quem quer reduzir os custos na hora de montar um escritório de advocacia é o compartilhamento de sala junto a um ou mais colegas.

A sala pode ser separada com divisórias de ambientes ou funcionar com base numa escala de horários. A maior vantagem desta opção é a manutenção de um ambiente mais formal, mesmo com custos compartilhados.

3. Escolha da mobília e equipamentos

Existem diversas opções de móveis que podem ser menos ou mais acessíveis, assim como equipamentos. O ideal é pesquisar bastante  na internet e lojas especializadas. 

Em caso de orçamentos mais enxutos, uma boa alternativa é procurar móveis de segunda mão em sites como OLX ou Mercado Livre.

4. Financiamento

Por fim, para quem quer abrir o próprio escritório mas não conta com muitos recursos, existe a alternativa do financiamento. Hoje, algumas instituições financeiras oferecem linhas de crédito especiais para advogados e profissionais autônomos.

O PROJER Profissional Liberal e o PROGER Urbano Empresarial são exemplos de financiamentos com juros reduzidos.

Considerações finais

Ter o próprio escritório por ser um bom caminho para se construir uma carreira sólida, bem-sucedida e com um excelente retorno financeiro. Muitas vezes arriscar dando o primeiro passo, pode significar a construção de um excelente futuro profissional.

Gostou dessas dicas? Tem dúvidas sobre como montar um escritório de advocacia gastando pouco? Deixe seus comentários abaixo para continuarmos essa conversa! 

Share this post:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois + dois =